Notícias

Monja Coen: “Dialogar é ouvir para entender”

28 de junho de 2018

 

O tom de voz foi o que primeiro impressionou. Logo a postura, as ideias e a forma serena de abordar temas delicados que fazem parte da nossa vida. Monja Coen era uma das atrações mais esperadas do Fliaraxá e certamente não decepcionou.

 

A última mesa do primeiro dia do Festival começou com um exercício de meditação. O desejo da Monja é que todos estivessem presentes. O público de 750 pessoas, que lotou a Sala Minas Gerais, seguiu os ensinamentos e se pôs a ouvir. O livro escrito em parceria com Leandro Karnal, O inferno somos nós deu o primeiro norte à conversa. Não ficou apenas nele.

 

Para ela, a raiva, o ódio, o rancor e o desafeto são todas representações do inferno. Segundo Monja Coen, céu é quando somos capazes de nos relacionar com harmonia e respeito com tudo que existe. A partir disso, falou sobre relacionamentos interpessoais, sobre política e até sobre os haters da internet.

 

A necessidade de diálogo foi um dos pontos mais fortes abordados por ela. “Podemos pensar de forma diferente. É preciso dialogar sem insultar o outro. É preciso ouvir o outro para entender seu ponto de vista. Dialogar é isso”.

 

Para Monja Coen, estamos vivendo uma época de medo. Mas, segundo ela, quem conhece a si mesmo não ofende e nem é ofendido. “Minha proposta é que todos se conheçam com profundidade”.

 

Veja o vídeo com a transmissão

 

 

[fbcomments]